quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

A piada do metrô Rio (e dos trens!) - 3

A paciência do povo parece estar se esgotando. Após uma pane que deixou quase todo os sistema ferroviário suburbano em colpaso na manha de hoje, passageiros revoltados resolveram se mexer e partiram para a manifestação em diversas estações da Super Via, até a Central do Brasil. Tirando de lado os atos de vandalismo que infelizmente vimos (afinal, em meio a pessoas de bem revoltadas há também vândalos revoltados), o ato foi justíssimo e bato palmas para todos que se envolveram na manifestação.

É sabido por todos que o sistema ferroviário (e também o metroviário, e as barcas claro) está em colapso no Rio de Janeiro, e em vias de ser detonado para sempre. No caso do metrô então, nem se fala! E a população é quem sofre com todo esse descaso das concessionárias e dos (des)governantes. O nada ilustríssimo (des)governador do Estado do Rio de Janeiro e seu igualmente nada ilustre secretário de transportes deveriam juntamente com os (ir)responsáveis daquelas concessionárias ajoelhar no milho e pedir perdão a toda a população diretamente da cadeia mais xexelenta que existe e lá ficar trancados até apodrecerem - o que seria no mínimo tão desumano quanto o dia-a-dia daqueles que dependem desses meios-de-transporte para poder chegar ao trabalho e em casa.

Bem, deixando toda a revolta de lado, vou contar uma epifania que tive: ao sair da estação do metro na Siqueria Campos ontem, quando me dirigia ao escritório de um cliente para quem estou fazendo um site, me peguei perguntando por quê Copacabana, com quatro grandes avenidas (e aqui estou contando as largas ruas Barata Ribeiro e Tonelero como avenidas), só dispunha de uma única linha de metrô e três estações. Lembrei-me então de Nova York, onde o sistema metropolitano é um dos mais antigos do mundo e também um dos mais eficientes. Lá, além de diversas linhas, nós temos linhas parelelas que correm pelos mesmos bairros (mas não pelo mesmo trilho!), sendo separadas muitas vezes por apenas um quarteirão de distância (e muitas vezes estações eram ligadas umas as outras por túneis para pedestres, que não precisavam sair da estação, ir para a rua, e entrar em outra estação de outra linha).  O metrô novaiorquino é umesmo ma maravalhisa! Olha que eu nem toquei no assunto valor da passagem! Fiquei imaginando então por quê não poderia haver uma linha paralea à Linha 1 em Copacabana (e talvez também em toda Ipanema), que atenderia muito mais pessoas, de maneira mais confortável, e seguiria igualmente para o centro da cidade, tendo mais estações estrategicamente posicionadas ao londo de seu trajeto.

A única resposta para minha indagação é essa: descaso, desinteresse e corrupção. Todos os governos até então - e principalmente o de Cabral - não fizeram investimentos necessarios para tornar mais fácil o direito básico de ir e vir da população. E não vejo a médio prazo algum governante se mexer para tal, ainda mais com o aborto que Cabral e Julio Lopes fizeram em nosso metrô, que tem apenas, agora oficialmente, uma linha e meia, cujo rabicho será espandido até o início da Barra da Tijuca. 

Se acham que os cariocas deveriam se orgulhar de pelo menos não terem um trânsito ruim como São Paulo, esperem para ver. A capital paulista, mesmo com suas diveras linhas de metro, ainda registra os récordes de trânsito no país, mas em muito pouco tempo o Rio de Janeiro tomará para si essa triste marca. Isso é um fato.

Para finalizar, confiram um infográfico que eu fiz com uma suposta linha paralela a Linha 1, partindo da estação Gal. Osório, em Ipanema. Ela seguiria parelalemente a toda Linha 1 até a altura da Glória, onde iria se desviar para o Aeroporto Santos Dumont e de lá seguiria até a Rodoviária novo Rio (você já viu esse esquema aqui), passando pela Praça XV, pela Praça Mauá e Cidade do Samba. Nesse infográfico mostro também o trajeto ideal da Linha 4, vindo da Barra, com a últma estação no Jardim Botânico sendo na altura da rua Maria Angélica, seguindo depois para o Humaitá, para uma segunda estação em Botafogo (na altura do morro Dona Marta) e de lá para Laranjeiras, Lapa e finalmente Carioca.




As estações da Linha paralela a 1 seriam:

1 - Estação Souza Lima;
2 - Estação Contante Ramos;
3 - Estação Pça. Nossa Senhora de Copacabana (com ligação para a linha 1 na estação Siqueira Campos);
3 - Estação Princesa Isabel;
4 - Estação Leme;
5 - Estação Praia Vermelha;
6 - Estação Rio Sul;
7 - Estaçao Praia de Botafogo;
8 - Estação Morro da Viúva (com ligaçao subterrânea para a linha 1 na estação Flamengo);
9 - Estaçao Praia do Flamengo;
10 - Estação hotel Glória;
11 - Estação Passeio;
12 - Estação Santos Dumont;
13 - Estação Praça XV;
14 - Estação Candelária;
15 - Estação Praça Mauá;
16 - Estação Hospital dos Servidores;
17 - Estação Cidade do Samba;
18 - Estação Rodoviária;

Como eu disse outrora, não sou engenheiro; apenas um entusiasta do bom funcionamento do que deveria ser o melhor meio de transporte de massas de uma cidade.

Fiquem a vontade para sugerir traçados para outras regiões da cidade não contempladas nesse mapa!

__________________________________________________________________________
Leia também:

3 comentários:

  1. Então, acho bacana essa discussão de transporte publico no Brasil. A melhor saída para esse problema parece ser, de fato, metrôs e trens (transporte de massa). Como alternativa de curto/médio prazo existe o VLT, um bonde modernizado, mais rápido e mais eficiente.

    Em muitas cidades da Europa (Paris, Bruxelas e Amsterdã, dentre muitas outras) usam essa transporte como complemento ao metrô. O grave problema no Brasil é a falta de planejamento de longo prazo, incompetência e muita corrupção. Dinheiro tem, material e recurso humano também, mas falta vontade política para tal.

    Acho que o que agrava ainda mais é esse lobby automotivo que reina aí. Fica muito fàcil para qualquer um (e um qualquer também) comprar um , dois, três até 4 absurdos carros na mesma casa. Deveria ter muito mais trem para fazer conexões intermunicipais e interestaduais (é espantoso como isso impera, até demais, diga-se, na Europa) e menos carros e caminhões nas estradas.

    Enfim, o que quero dizer é que está enraizado um problema cultural que deve ser modelado para poder vingar essas ideias. Isso vai demorar décadas, mas tem que ter um começo e, honestamente, se Copa do Mundo e Olimpíadas ao menos para dar esse primeiro tapa já seria grande coisa.

    Por último, você participou das manifestações?

    ResponderExcluir
  2. Danilo, tudo o que você disse é verdade. Está enraizado na "cultura" brasileira a necessidade de carros e estradas, o que, aliado ao lobby das empresas de ônibus (em esfera municipal e até estadual), colabora para o atraso do Brasil nessa questão ferroviária (e até hidroviária). O Barão de Mauá, há 200 anos, foi pioneiro na expansão da malha ferroviária brasileira e acabou no ostracismo, já naquela época vítima da corrupção que assolava o império.

    Quanto a sua pergunta; sim, eu participo de manifestaçãoes a esse respeito (e a outros também). Uma pena que eu seja um dos poucos...

    ResponderExcluir
  3. O que aconteceu com a Linha 3?

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget