segunda-feira, 9 de maio de 2011

O Deus do... estalinho?


Fui conferir a mais nova empreitada da MARVEL na sétima arte, Thor, ou, como queiram os fãs, mais um prequel do filme d’OS VINGADORES, que deve chegar aos cinemas em 2012, mas antes do “fim do mundo”.  Devo confessar que meu conhecimento da mitologia do herói vem principalmente dos desenhos desanimados dos anos 1970, mas a verdade é que para um filme sobre o DEUS DO TROVÃO muita coisa deixou a desejar, principalmente o enredo, em detrimento a tiradas cômicas que nem sempre são bem-vindas em filmes de super-heróis, e efeitos nem tão empolgantes assim. Bola fora para o shakespieriano Kenneth Branagh, que dirigiu a fita.

Não, o filme em si não é ruim. Mas poderia ser bem melhor. A começar pela participação de Natalie Portman, em “piloto automático”. Com talento e beleza de sobra, ela poderia ter mais destaque na história, em que interpreta Jane Foster, uma cientista que estuda fenômenos atmosféricos com o professor Erik Selvig (Stellan Skarsgård) e uma assistente completamente dispensável (apesar de bonitinha). Por um acaso que só o mundo dos quadrinhos (ops, desculpe, Comic Books... digo, HQs)  e do cinema podem conceber, ela esbarra com Thor (Chris Hemsworth) durante uma tempestade e ,convencida rapidamente que ele é quem se diz ser, apesar de todo o absurdo lógico, passa a ajudá-lo a voltar para a sua Asgard, sem saber ao certo como isso seria possível.

Pausa e flashback para falar sobre o passado de Thor (como aconteceu no filme): filho preferido do deus Odin (Anthony Hopkins, sempre com boa presença, mas também no automático), Thor, jovem e arrogante, está para herdar seu trono quando é traído pelo irmão Loki (Tod Hiddleston) e acaba banido, sem poderes, pelo seu pai para o mundo dos mortais, onde deve provar seu valor. E ao invés de ser ai que o filme engrena, na verdade é aí que desanda, com aquelas tiradas cômicas quase totalmente desnecessárias citadas lá em cima, e um personagem que encontra sua redenção sem ao menos buscá-la, numa das viradas de personalidade mais forçadas da sétima arte.

Para um filme sobre o todo poderoso deus do trovão, faltou ao diretor e aos roteiristas Ashley Miller, Zack Stentz e Don Payne mais empenho para que o fazer mais barulho do que uma bombinha de festa junina. Resta a nós, reles mortais, esperar pelos VINGADORES para ver se o personagem realmente em todo o seu valor reconhecido.

Em tempo: tive que ir “assistir” em 3D. As aspas se referem a minha deficiência ocular que não me permite enxergar os efeitos 3D. Mas posso dizer que com os óculos eu vi a imagem toda chapada, como um 2D normal, com o agravante apenas de ter tido a imagem do filme escurecida pelas lentas.  Vi durante a projeção várias pessoas tirando os óculos em determinadas cenas, seja pela fadiga ocular que eles causam, seja para poder enxergar todo o brilho da tela, ou mesmo porque na maioria das cenas os óculos eram totalmente dispensáveis, o que só me leva a conclusão que essa nova onde de filmes em 3D (real ou convertido) são mera desculpa para arrancar mais dinheiro do espectador.

Confiram ai trailer em HD:



8 comentários:

  1. Opinião é assim mesmo. Como minhas razões para ter curtido o filme são pessoais e muito embasados no emocional, não vou nem como começar a argumentar uma defesa pelo filme.

    Mas independente de mim, todo filme que no RottenTomatoes.com receba acima de 75% de aprovação, merece meus louvores! Como lá disseram:
    "A dazzling blockbuster that tempers its sweeping scope with wit, humor, and human drama, Thor is mighty Marvel entertainment"

    Abraços! E que venham os Vingadores!

    ResponderExcluir
  2. E eu vi em 2D, o que foi excelente!

    ResponderExcluir
  3. Pois é, além deu ter "visto" em 3D, o filme não me empolgou. Que venha OS VINGADORES para que Thor realmente possa ter uma boa história, nem que dividida com os outros heróis!

    ResponderExcluir
  4. Achei uma boa aventura, mas podem ser por razoes pessoais (sou devoto de HQs). Ja havia lido que esse filme seria dispensavel gastar mais pela versao em 3D, optei pelo tradicional 2D. Achei que o elenco esta mais equilibrado do que Iron Man, onde Robert Jr manda no filme e sobre a assistente bonitinha, a Kate Dennings sempre foi foda, com uma beleza incomum pro cinema convencional. Ponto pra Marvel que vai faturar muito so com o fato desse e de Capitao america prepararem terreno pros Vingadores

    ResponderExcluir
  5. A história pelo que me contaram é totalmente diferente das HQs, onde o herói realmente passa por uma grande provação para reaver, com humildade, seus poderes. Espero que CAPITÃO AMÉRICA não decepcione...

    Kate Dennings é gatinha (fez O FANTASMA DA ÓPERA e O DIA DEPOIS DE AMANHÃ) mas sua persoangem é totalmente dispensável em Thor.

    ResponderExcluir
  6. Aguardo sua critica para os Vingadores, e ai veremos se vc entende realmente de cinema ou é so mais um dos milhões de internautas metidos a entendidos

    ResponderExcluir
  7. Amigo me desuculpe, esqueça o comentário acima, acabei de ler sua critica sobre "Drive" e "Real Steel" e vi que vc é pior que os intenautas desentendidos.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo, obrigado pelo comentário extremamente engrandecedor! Para quem se esconde no anonimato da internet, você tem muito o que dizer mesmo!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget