quarta-feira, 25 de abril de 2012

Cinema show de bola


Romário? Ronaldinho Gaúcho? Adriano? Felipe Bastos? Todos esses são fichinha perto de Heleno, o Maldito. O filme de José Henrique Fonseca (do ótimo “O Homem do Ano”), escrito por ele e por Fernando Castets e Felipe Bragança, conta de maneira, se não cem por cento fidedigna, mas muito honesta a queda deste que foi um dos maiores jogadores de futebol do Brasil, na década de 1940. Heleno foi o precursor dos futebolistas farreiros da atualidade. Primadona convicto, ele se considerava o único jogador do Botafogo, seu time do coração, pelo menos o único com talento e amor a camisa e negava-se até a treinar por conta disso (Alô, Romário?). Colocava sem pudores a culpa em todo o time, até no técnico e nos dirigentes, caso o alvi-negro falhasse. Além disso era um boêmio, um bon-vivant galanteador. Culto e educado, advogado de formação, colecionava conquistas amorosas, até mesmo depois de casado, e  não dispensava um bom champagne no Copacabana Palace.

Não espere do filme uma cinebiografia; a fita não conta sua ascensão no futebol e no Botafogo. O roteiro, narrado em dois tempos, mostra Heleno ladeira abaixo por conta de seu comportamento e sua personalidade, e já totalmente debilitado, vitimado pela sífilis, internado em um manicômio / casa-de-repouso no interior de Minas Gerais, o que garante a Rodrigo Santoro algumas das melhores cenas do personagem e de sua carreira, mostrando o quão versátil ele é e merecedor de todos os elogios e prêmios que possa angariar. Aliás, Santoro já tem experiência em manicômios; vide sua elogiadíssima interpretação no premiado “Bicho de 7 cabeças”, de Laís Bodansky.

A lindíssima fotogragia em petro e branco de Walter Carvalho merece todos os elogios e nos coloca diretamente dentro do filme, sua época, a atmosfera noir e glamourosa, além de mostrar que apesar da glória, a vida do atleta por ser completamente desprovida de cor e vida.

Completam o elenco Aline Moraes, como sua esposa Silvia; AngieCepeda, a cantora latina do Copa, que na fita incorpora todas as puladas de cerca de Heleno,  Othon Bastos, como Carlito Rocha, técnico do Botafogo, e Eron Cordeiro, interpretando o melhor amigo de Heleno.

Uma pena MESMO que o filme não anda bem nas bilheterias.  Técnicamente é perfeito.

2 comentários:

  1. Meu amigo Poggi, vi este filme hoje e achei FANTÁSTICO.

    Para mim, é um TOURO INDOMÁVEL tupiniquim. Vc não achou isto também?

    Retrato de um atleta talentoso e com problemas por conta de sua personalidade, preto e branco, ópera ao fundo, roteiro não linear e final com o protagonista irreconhecível por mudanças físicas... Muitas semelhanças!

    E belo texto, gostei muito. Parabéns!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Opa, Thiago, obrigado pelo carinho! Sim, o filme é foda, mas devo confessar que NUNCA ASSISTI TOURO INDOMÁVEL... Lástima essa que será apagada em breve, pois já encomendei o meu na Amazon...

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget