segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

American Hustle


Golpistas estão em todos os lugares, onde menos se espera. E são quem menos esperamos. E o pior: podemos todos ser golpistas em potencial! O que separa os seres-humanos descentes daqueles que querem levar vantagem em tudo, principalmente sobre pobres inocentes e ingênuos, é uma tênue linha e dignidade e, talvez, culpa cristã. Portanto, cuidado com quem está do seu lado.

American Hustle (ou A TRAPAÇA, título aqui no Brasil) mostra justamente isso: Irvin Rosenfeld (Christian Bale, em atuação soberba), um cara comum, sem beleza, sem sex appeal, aparentemente sem muita inteligência, pai de família, dono do seu próprio negócio, herdado do pai, é um escroque de marca maior. Quando conhece a belíssima Sidney Prosser (Amy Adams, um colírio que sabe - e muito bem - atuar!), passa a atuar junto com ela, que torna-se sua amante e sócia. E eles são tão bons juntos que acabam chamando a atenção do FBI. Pegos no flagra pelo agente Richie Dimasso (Bradley Cooper, cada vez melhor e cada vez mais ficando no panteão atual de Hollywood), são coagidos a cooperar com o bureau na prisão de políticos corruptos, envolvidos com a máfia, de modo a livrarem suas caras.

O diretor David O. Russel (que assina o roteiro com Eric Singer) puxa o espectador quase que literalmente para dentro da tela, como se fôssemos cúmplices da trama, tão bem ambientada nos anos 1970, com cores, texturas, figurino e magnífica trilha sonora (a melhor em muitos anos, recheada de sucessos dos anos 1970 escolhidos a dedo!). Diálogos precisos, onde nenhuma palavra é desperdiçada, ou dita em vão, ajudam a construir os personagens de maneira humana e extremamente verossímil (by the way, o filme é inspirado em fatos reais). Sua direção de atores é seu forte, como já pudemos ver em filmes como O LADO BOM DA VIDA e O VENCEDOR, filmes esses, aliás, com quem já trabalhara com Bale, Adams, Cooper e a talentosíssima Jennifer Lawrence. Ela, aliás, está cotadíssima paga ganhar seu segundo Oscar, dessa vez como a destrambelhada (porém nada exagerada) esposa de Irvin.

Completam o elenco o Jeremy Renner, como Carmine Polito,  o prefeito de Atlantic City, o sempre bom (e pouco aproveitado)  Michael Peña (como o falso sheike Abdulah) e Robert de Niro, no papel que melhor sabe fazer: um mafioso italiano chamado Vitor Tellegio (que foge do clichê apenas porque fala árabe!).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget