terça-feira, 19 de junho de 2012

O último suspiro de Roma

Ler um bom livro é sempre gratificante. Muitas mais gratificante é ler um bom livro sobre um tema que nos interessa a ponto de querer consumir mais e mais sobre esse tema, seja em livros, em revistas ou em documentários e filmes. E foi muito gratificante ler A ÚLTIMA LEGIÃO, do italiano Valerio Massimo Manfredi (lançado aqui pela editora Rocco), que conta a história do último suspiro do outrora poderoso e influente império romano e o nascimento de um mito. 

Narrado em terceira pessoa, mas com uma proximidade magnífica de seus personagens, Manfredi fala da tentativa de salvar o que sobrou da antiga Roma na pele de seu último imperador, Romulus Augustos, então com 13 anos, que fora deposto por uma horda de bárbaros a mando do imperador do oriente, Odoacro. Aprisionado na ilha de Capri, Romulu e seu mestre Ambrosinus são resgatados pelo capitão Aurélio com a ajuda da jovem arqueira Mira e outros legionários sobreviventes do massacre perpetrado por Odoacro. Traídos, eles partem numa jornada pelos territórios romanos rumo a ilha bretã onde, segundo o mestre Ambrosinus, originário daquelas terras, uma profecia se realizará com a chegada do rei-menino, que de posse da espada poderosa trará paz a Bretanha.

Lançando mão de diálogos pomposos, com tempos verbais usados naquela época, e descrevendo com clareza sons, sabores e texturas das paisagens por onde os aventureiros em fuga passam em sua jornada, Manfredi apresenta  uma obra deliciosa de se ler, com trechos tensos e um final glorioso, onde a esperança num futuro melhor é apresentada.

Pena, muita pena que a adaptação de Hollywood para essa obra tenha sido tão fraca, transformando uma aventura tensa em um filme infantil e mal feito... O filme de 2007 foi dirigido por Doug Leffer (artista gráfico responsável por vários storyboards em Hollywood) e estrelado por Collin Firth e Ben Kisnley (coitados...).

Cartaz do filmeco. Não assista!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget