terça-feira, 21 de outubro de 2014

Expectativa alta como alimento da decepção

Não, você não leu errado o título do post. Se ele parece saído de um livro de auto-ajuda ou similar,o mesmo posso dizer das frases ditas pelos personagens no fraquíssimo roteiro Jan Berger, que nem de longe faz jus ao maravilhosamente estupendo livro O FÍSICO de Noah Gordon. O que é uma pena.

Para quem não conhece o livro, ou se conhece e não leu, ele conta a épica história de Rob Cole (Tom Payne, no filme), órfão que é acolhido por um barbeiro nas ruas da Londres de 1024 D.C., e com ele aprende a arte da cura" (entre aspas mesmos). Fascinado pela medicina que presencia médicos judeus exercerem, ele se passa por judeu para ser aceito na faculdade do mais proeminente físico (como os médicos na idade média eram chamados, daí o título da obra) de seu tempo, Ibn Sina no distante oriente (onde Cristãos não são bem-vindos).

A epopeia do jovem Cole em busca de conhecimento é recheada de muita aventura, mas sobretudo muitas descobertas e crescente admiração pela cultura judaica, e também pela muçulmana, que lhe garante doses homéricas de tensão e conflito interno entre o que ele acredita, o que lhe ensinam e o que acha correto. Infelizmente isso tudo é mostrado muito superficialmente no filme. O diretor alemão Philipp Stölzl não leva a culpa aqui, tendo feito o que pôde com o roteiro pleno de falhas, que em algumas passagens lembra mais uma novela de Glória Perez.

O ponto forte do filme fica com a soberba atuação de Ben Kingsley, na pele do físico (ou médico, como queira) Ibn Sina (personagem real), a fotografia magistral e na própria direção de Stölz. Para mim, e muitos fãs, fica a espera para uma melhor adaptação deste que está no hall dos 10 livros mais influentes de todos os tempos, de preferência como uma minissérie da HBO.

-----------------------------------------------------------------------------------------------

EDIT: chegou a meu conhecimento há pouco que a distribuidora IMAGEM FILMES cortou cerca de 36 minutos do filme para exibi-lo no Brasil. Não sei se chegaria a fazer muita diferença no resultado final essa meia hora faltante, provavelmente não, mas fica aqui registrada a indignação...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget